Jornal A Voz da Cidade - 11/04/2003 - Caderno Espaço Cultural (pág. 02)

Grupo Estudarte se apresenta hoje
no Colégio João XXIII


Foto: Cristiano Oliveira


Por: Tânia Cruz

O Grupo de Teatro Estudarte, formado por alunos secundaristas do Colégio Volta Redonda, estará se apresentando hoje, a partir das 16 horas no Colégio João XXIII, no bairro Retiro. Através do projeto " O Protesto das Lendas" os estudantes estarão dizendo não à internacionalização da Floresta Amazônica.

O objetivo dos estudantes, segundo o diretor da peça, o ator Rodrigo Hallvys, é incentivar as escolas a falarem sobre as lendas brasileiras.

O projeto "O Protesto das Lendas nasceu dentro da escola, em meados de março. De início, a idéia era ficar só na escola para ganhar nota, mas a idéia se expandiu.

O diretor faz questão de frisar que a idéia de lançar o projeto foi da professora de Língua Portuguesa e Literatura Isabel Oliveira. "Ela pediu a alguns alunos para montarem um espetáculo que falasse sobre a descrença nas lendas nortistas e na internacionalização da floresta. Foi quando fui convidado pelo meu irmão, o aluno Diego Machado, do 2° ano de técnico em Publicidade, para dirigir a peça. Aceitei e agora estamos com novas idéias", contou.


Jornal Diário do Vale - 14/04/2003 - Caderno Lazer & Cia (capa)

Manifesto ecológico em forma de arte
Grupo Teatral Estudarte leva 'O Protesto das Lendas' aos colégios de Volta Redonda;
peça nasceu de trabalho escolar


Fotos: Divulgação


No palco: Rodrigo Hallvys (no centro, de cavanhaque) dirige 15 estudantes do
Colégio Volta Redonda em peça baseada no livro 'Lendas da Amazônia'


Cláudio Alcântara

O que era apenas um trabalho escolar rompeu barreiras e hoje é uma espécie de manifesto ecológico. O Grupo Teatral Estudarte está levando o espetáculo "O Protesto das Lendas" aos colégios do município. Com a peça, os estudantes colocam em debate a "Internacionalização da Floresta Amazônica" e "A falta de informação sobre as lendas nortistas". Tem feito tanto sucesso que os 25 minutos de espetáculo podem ser ampliados para uma hora.

O autor do texto, adaptado do livro "Lendas da Amazônia", Diego Machado, de 16 anos, conta que há cerca de um mês o Colégio Volta Redonda inicou o projeto "Amazônia". " A professora de Literatura e Língua Portuguesa Isabel Oliveira pediu para que os alunos do 1° e 2° anos do Ensino Médio produzissem uma apresentação teatral sobre o assunto", diz ele, que cursa o 2° ano de Publicidade.

Raquel Moraes e Machado leram o livro sugerido pela professora, procurando resumir o tema, mas com a preocupação de não deixar de lado as características dos personagens. Os dois também reuniram o grupo de estudantes. O texto básico foi concluído em apenas quatro horas, mas como precisavam encenar a peça dentro de uma semana, Machado pediu apoio ao irmão dele, o ator e diretor Rodrigo Hallvys, que assina a direção de "O Protesto das Lendas".

-Foram apenas três ensaios. Seis dias depois subiram ao palco do Colégio Volta Redonda para a apresentação. O que seria apenas um trabalho escolar tornou-se uma campanha - orgulha-se Hallvys.

Machado diz que um dos objetivos da peça é conscientizar os estudantes sobre o que está acontecendo com a Floresta Amazônica: "Temos que valorizar o que é nosso, muitos remédios que compramos por preços altos nas farmácias vêm da riqueza natural da floresta".

O curto espaço de tempo provocou algumas dificuldades, principalmente na adaptação do texto, de acordo com Machado, por ser um assunto um tanto complexo.

-O desafio era não fugir da história original nem das características de um índio. Também tive que me preocupar com a linguagem, bem acessível para os adolescentes, que fugisse da complexidade - fala.

O estudante gostou tanto da experiência que está disposto a repetí-la, se surgirem outras oportunidades. Ajudou bastante também o fato de Machado e Hallvys serem irmãos. É a primeira vez que os dois trabalham juntos. O diretor elogia o trabalho do irmão. "A adaptação ficou ótima, só que eles não estavam conseguindo organizar a peça, colocá-la em funcionamento", conta.

São 15 estudantes em cena, quase todos sem experiência teatral, o que deu bastante trabalho a Hallvys. Ele teve que fazer o trabalho de preparação dos atores em tempo recorde.

-Fiz a marcação em cima de cada fala, mas o mais interessante é que consegui o respeito de todos. Um trabalho escolar passou a ser um trabalho de dedicação - enfatiza o diretor.

No palco, estudantes que nem faziam parte do mesmo círculo de amizade dão conta do recado. "Todos se acolheram, deram idéias, foram muito dedicados e esforçados. A espontaneidade deles em cena é responsável por grande parte do sucesso", acredita Hallvys.

SUCESSO - O espetáculo estreou no dia 27 de março e, por causa do sucesso, os estudantes voltaram à cena em outra sessão. No dia seguinte, "O Protesto das Lendas" teve que ser reapresentado. Daí o grupo recebeu convite para apresentar no Colégio Municipal João Paulo Pio de Abreu, no Retiro. No último dia 10, o espetáculo foi encenado no João XXIII, repetindo o sucesso da estréia. O diretor comemora:

-Estou feliz como diretor por pegar um grupo de atores tão dedicados. E mais feliz ainda por trabalhar junto com o meu irmão. O interessante seria que todos os colégios adotassem o tema porque mais importante que o espetáculo é a mensagem. Estamos aliando cultura e educação, com muito bom humor.

A idéia é que alunos de outros colégios e moradores debatam os dois temas abordados na peça, ou seja, uma campanha de não à internacionalização da Floresta Amazônica.

Os interessados em que o Grupo Estudarte leve o espetáculo para seus colégios devem ligar para (24) 9829-7121.
Ou visitar o site www.estudarte.kit.net

QUEM É QUEM NO ESPETÁCULO

.Dayane Silva - Pretinho-da-Bacabeira
.Diego Machado - Curupira
.Gleicyanne Alves - Mãe-do-Mato
.Jésia Cristine - Peixinho-Dourado
.Ludmila Anastácia - Ituaí
.Marina Camargo - Iara
.Moara Marfori - Narradora
.Náira Santos - Janaum
.Ramon Medeiros - Bumba-meu-Boi
.Raquel Moraes - Pajé
.Rodrigo Delgado - Caçador
.Samuel Roger - Boto
.Suellen Silva - Aguaguará
.Weylla Gonçalves - Nativa
.Ygor Rodrigues - Bicho-de-Sucuba

.Direção - Rodrigo Hallvys
.Produção - Carolina Nardini e Diogo Maia
.Maquiagem - Lidiane da Silva, Natália Dias e Paula Medeiros

.Supervisão - Professora Isabel Oliveira




Jornal A Voz da Cidade - 26/04/2003 - Caderno Variedades (capa)


Estudantes formam Grupo de Teatro
dentro da Escola

Divulgação

Estudarte, dirigido pelo ator e diretor Rodrigo Hallvys,
inicia trabalho com "O Protesto das Lendas"
Fotos: Cristiano Oliveira


Tânia Cruz

Inicialmente era só para conseguir uma nota, mas depois de duas apresentações parece que a avaliação se transformou mesmo numa peça Teatral. E foi assim também que nasceu o grupo de teatro Estudarte. Formado por estudantes secundaristas do Colégio Volta Redonda, o grupo nasceu em meados de março, através de um projeto da escola, o 'Amazônia'.

Segundo explicou o diretor da peça, o também ator Rodrigo Hallvys, o objetivo do trabalho era conseguir pontos em sala de aula para os alunos que contassem a influência da cultura nortista no Brasil.

A idéia de montar o projeto foi da professora de Língua Portuguesa e Literatura Isabel Oliveira, que pediu para alguns alunos montarem um espetáculo que abordasse a descrença nas lendas nortistas e na internacionalização da Floresta Amazônica.

Foi aí que os estudantes Raquel Moraes, 15 anos, aluna do 2° ano de técnico em Química, e Diego Machado, 16 anos, da turma do segundo ano de curso técnico em Publicidade, se uniram para escrever o texto da peça 'O Pro
testo das Lendas'.

Os dois informaram que levaram um dia apenas para montar o texto. Logo em seguida, alunos de diversos cursos, com idade entre 14 e 18 anos, se propuseram para formar o elenco.


Apresentação se transformou em Espetáculo


Diego lembra que eles próprios escreveram a peça e criaram o figurino. O que era para ser uma apresentação apenas para nota se transformou em espetáculo. É que depois de três apresentações na escola, para professores e alunos, o grupo foi convidado para mostrar a peça no Colégio Municipal João Paulo Pio de Abreu, no início de abril e na semana passada no João XXIII, também no bairro Retiro.

Convidado para dirigir o espetáculo do Estudarte, Rodrigo Hallvys garantiu que o elenco está sensacional e, com certeza, vai virar sucesso. Ele lembrou apenas que para dar continuidade ao trabalho o grupo necessita de patrocínio. "Foi um trabalho escolar que virou campanha. Pretendemos continuar, mas para isso é preciso patrocínio", disse Rodrigo, que já atuou em peças como diretor e ator.

É bom lembrar que Rodrigo já soma 13 anos de carreira e dirigiu a maioria das peças em que atuou. O ator já foi destaque, no início de 2001, quando recebeu o título de melhor ator, no Rio de Janeiro, representando o município de Volta Redonda.

Rodrigo se destacou também, ano passado, no seriado brasileiro da Rede Globo, 'A Grande Família'. Ele fez o papel de um funcionário do Beiçola. Rodrigo diz que é uma satisfação dirigir essa garotada, já que a maioria nunca havia enfrentado um palco.


Jornal Diário do Vale - 30/11/2003 - Caderno Lazer & Cia (capa)

Um festival de esquetes no ICT
Evento vai reunir obras de Carlos Drummond de Andrade,
Stanislaw Ponte Preta, Fernando Sabino e Luiz Fernando Veríssimo


Divulgação/Donizete


Rodrigo Hallvys
: "A maioria dos esquetes fala
sobre comportamento familiar e social, de alguma forma"

Cláudio Alcântara

Para rir e chorar. Do riso à lágrima num curto espaço de tempo. O "I Festival de Esquetes ICT" vai reunir obras de Carlos Drummond de Andrade, Stanislaw Ponte Preta, Fernando Sabino e Luiz Fernando Veríssimo. Além de textos do ator Rodrigo Hallvys, coordenador do projeto, e outras adaptações. O evento acontece no dia 16 de dezembro, no Instituto de Cultura Técnica, em Volta Redonda. Serão apresentados doze esquetes com os alunos da escola, integrantes do grupo Superávit.

- Três textos são de minha autoria e a maioria dos esquetes fala sobre comportamento familiar e social, de alguma forma. Está sendo um desafio enorme - diz, lembrando que os estudantes tiveram um workshop de interpretação de apenas cinco aulas. "Agora estamos ensaiando", fala.

Apenas cinco aulas? Não é muito pouco? Hallvys confessa que é trabalhoso, mas está tentando se acostumar com a correria. "Quando dirigia o teatro da ETPC (Escola Técnica Pandiá Calógeras), quase todas as apresentações foram ensaiadas em pouquíssimo tempo", conta.

Já no CVR (Colégio Volta Redonda) ele teve apenas seis dias para preparar os 15 integrantes do Grupo Estudarte para a estréia de "O Protesto das Lendas". Com o monólogo "Produzindo um Sonho" não foi diferente: apenas três semanas para a apresentação. Em "A Moreninha", o convite foi no dia da apresentação. Agora ele dirige 48 atores - um grupo de 34 adolescentes e outro com 14 crianças.

- Já fui chamado de louco por aceitar trabalhar nesta correria. Realmente dá muito medo, é muita responsabilidade estar dentro de um jogo e não deixar a peteca cair - comenta. E acrescenta: "Não sei se encaro tudo com melhor adaptação simplesmente porque amo o que faço. Mas sem dúvida fico feliz de confiarem em minha capacidade. Acho que não pediriam um trabalho desse tamanho para qualquer pessoa, talvez eu tenha credibilidade".

O projeto é um sonho que o ator vem alimentando há anos. Ele conta que passou pela época da falta de apoio e recurso.

- A região sul fluminense é grande fisicamente, mas com pouco apoio à arte cênica. O espaço é restrito e a estrutura pequena. Não quero ver os artistas mais novos passando pelo que eu passei - ressalta. Hallvys tem consciência de que os outros diretores estão fazendo a parte deles da melhor forma possível. "É hora de provarmos que podemos crescer sem nos deixar enganar. Há pessoas que se dizem produtores que vêm a Volta Redonda para enganar os artistas", fala.

O ator lembra que no Rio, depois de ter passado em um teste para uma peça, perdeu o personagem simplesmente pelo fato de ter nascido na Cidade do Aço.

- Viram de onde eu era e me chamaram de caipira. Sou voltarredondense, sim. Nunca escondi isso, pois não tenho porque fazê-lo. Mas logo em seguida comecei a gravar "A Grande Família".

TRAJETÓRIA - Há três anos a vida de Rodrigo Hallvys, de 22 anos, mudou. Deixou Raphaella Mennelleu, Jeane Del Campo e Rochester Halfeld, com os quais formava o quarteto musical Cristais, para dar seqüência à carreira de ator. A vida artística começou cedo, em 1990, com apenas 9 anos de idade. Depois deixou os microfones para dirigir o Grupo de Teatro Inovação, da ETPC. Premiado no Rio de Janeiro como melhor ator, retornou a Volta Redonda em meados de 2002.

Tentou implantar um curso livre de interpretação em um colégio da cidade, mas "por falta de apoio" não conseguiu.

No início deste ano, recebeu o convite para dirigir o grupo Estudarte, do CVR, que fez uma pequena turnê com o espetáculo "O Protesto das Lendas". Em agosto, surgiu o convite para o monólogo "Produzindo um Sonho". Em menos de duas semanas, subiu ao palco do CVR com "A Moreninha", de Joaquim Manuel de Macedo, adaptação de Raquel Moraes. No ICT dirigiu o "Workshop de Livre Interpretação", fundando então o Superávit.

Quem quiser conhecer mais sobre a carreira do ator e diretor é só acessar o site www.rodrigohallvys.hpg.com.br



Jornal A Voz da Cidade - 12/12/2003 - Caderno Espaço Cultural (Arte Cênica)


Ator forma novo grupo de teatro


Divulgação


Grupo Superávit, formado por alunos do Instituto de Cultura Técnica

Volta Redonda
Por: Tânia Cruz

Depois de três anos, quando dirigiu o grupo de teatro Inovação, na Escola Pandiá Calógeras, em Volta Redonda, o ator e diretor Rodrigo Hallvys, volta à cena com novos projetos. Depois de alguns meses, afastado dos palcos para atuar na televisão, o ator agora se destaca em outros projetos. Em março, por exemplo, ele esteve dirigindo o grupo Estudarte, formado por alunos do Colégio Volta Redonda. O grupo fez uma pequena turnê com o espetáculo O Protesto das Lendas, de Diego Machado (seu irmão) e Raquel Moraes.

Em setembro, apresentou seu mais recente monólogo, Produzindo um Sonho e, em seguida, participação especial como Leopoldo, no sucesso A Moreninha.

Logo após esses trabalhos, Rodrigo começou a trabalhar em parceria com o Instituto de Cultura Técnica (ICT), dirigindo seu workshop de interpretação livre, formando um novo grupo, o Superávit. São 48 alunos do ICT que formam o grupo. Eles fizeram apenas cinco aulas em preparação.

Agora, estão ensaiando 12 espetáculos que serão apresentados no primeiro Festival de Esquetes do Instituto, que vai acontecer dia 16, no auditório do ICT, a partir das 15 horas. A entrada é franca. O novo projeto de Rodrigo em parceria com o ICT promete uma grande guinada na cultura e educação da população do município.



Jornal A Voz da Cidade - 13/12/2003 - Caderno Variedades (capa)

Grupo Superávit apresenta
o I Festival de
Esquetes do ICT

Elenco é formado por 48 estudantes
e dirigido pelo ator Rodrigo Hallvys

Fotos: Divulgação


nia Cruz

Dia 16, o auditório do Instituto de Cultura Técnica (ICT) vai se transformar num verdadeiro palco. A partir das 15 horas, estará acontecendo no local o I Festival de Esquetes do ICT, com o Grupo Superávit. A direção do evento é do ator e diretor Rodrigo Hallvys, que há três anos dirigiu outro grupo na Escola Técnica Pandiá Calógeras (ETPC), o Inovação.Segundo explicou o diretor e ator, depois de um pequeno período afastado dos palcos da região por conta de suas apresentações em programas de TV, ele está de volta com alguns projetos de teatro.

Abrindo novamente os caminhos para os palcos, em março deste ano Rodrigo dirigiu o Grupo Estudarte, formado por alunos do Colégio Volta Redonda. O elenco fez uma pequena turnê com o espetáculo O Protesto das Lendas, de Diego Machado (seu irmão) e Raquel Moraes. Em setembro, ele apresentou seu novo monólogo, Produzindo um Sonho. Em seguida, teve participação especial, como Leopoldo, no sucesso A Moreninha. Logo em seguida, Rodrigo, em parceria com o ICT, começou a dirigir seu workshop de interpretação livre, formando um novo grupo de teatro com 48 alunos do ICT.

Rodrigo contou que foram cinco aulas de preparação e agora o elenco está ensaiando 12 espetáculos que serão apresentados no I Festival de Esquetes do ICT. O ator e diretor contou que são adaptações feitas por ele para obras de Stanislaw Ponte Preta, Luiz Fernando Veríssimo, Fernando Sabino, Carlos Drummond de Andrade, entre outros três textos inéditos do ator, que estarão constituindo o festival do dia 16. Segundo Rodrigo, a nova parceria com o ICT promete uma grande guinada na cultura e educação da população de Volta Redonda.

SUCESSO
No auge do sucesso, Rodrigo pensa ainda em remontar seu antigo conjunto musical, Cristais, mas no momento os trabalhos estão sendo intensos para o festival. "São muitos detalhes dentro de cada esquete, mas o que alivia é o fato de os atores estarem correndo atrás de suas personagens e próprios figurinos. Isso já dá uma noção de produção a eles", explicou Rodrigo.

Para ele, a coragem do elenco é assustadora e gratificante. "Foram somente dois meses e meio do início do workshop ao festival. Um tempo curto para a formação de 48 atores. Mas estamos radiantes", completou, lembrando que estará atuando em um dos espetáculos.

O grupo Superávit é dirigido por Rodrigo Hallvys e formado pelos alunos: André Denis, André Luiz, Breno Menchise, Camila Parreira, Camilla Ferreira, Carina Borges, Carlos Henrique, Cínthia Cerqueira, Clarissa Anastácio, Fábio Moura, Gabriel Pereira, Gabriella Telles, Gabriele Telles, Gabrielle Ferreira, Georgines Alves, Giselle Reis, Iara Cardoso, Igor Brasil, Jéssica Lander, Jéssica Maia, Jéssica Mazza, Josiane Brant, Juliana Freitas, Karen Faria, Katriny Novaes, Kênya Oliveira, Laís Carvalho, Larissa Simões, Lívia Saar, Luíza Pricken, Lundoi Lee, Margaryda Andrade, Mariana de Souza, Mariana Reis, Michelle Castellani, Priscila do Vale, Quésia Freitas, Saimon Teixeira, Sara Bani, Tatiana Andrade, Thaís Corrêa, Thaíze Monteiro, Thiago Assis, Thiago Oliveira, Uayne Souza, Vanessa Berbert, Yan Barros e Yasmin Fong Liang.


Jornal Diário do Vale - 15/12/2003 - Caderno Lazer & Cia (Teatro)


Grupo Superávit estréia amanhã no
'I Festival de Esquetes do ICT'

Por: Cláudio Alcântara

Doze espetáculos, 48 alunos em cena. O Grupo "Superávit" estréia amanhã, às 15 horas, no auditório do Instituto de Cultura Técnica, no Jardim Amália, em Volta Redonda, o "I Festival de Esquetes do ICT". Nove esquetes são de autores consagrados e os outros de
Rodrigo Hallvys, que assina a direção do festival e também atua.

Os esquetes falam com muito bom humor sobre o comportamento humano. A entrada é franca.- Quase todos os atores em cena não têm experiência nos palcos, o que fez a dedicação do elenco ser muito grande. Começamos os trabalhos no fim de setembro - diz Hallvys.

Um desafio, mas a confiança é grande. Segundo o ator e diretor, pelo fato de não se cobrar ingresso, o auditório deve ficar cheio, o que está deixando a direção do ICT muito satisfeita. "As adaptações dos textos, já conhecidos, foram feitas para explicarmos os porquês do ser humano. Para as pessoas refletirem sobre suas atitudes com os outros e até consigo mesmas", fala.

Na opinião de Hallvys, os textos são de fácil entendimento.- O que ajudou os atores em seus trabalhos na montagem das personagens e dos figurinos.

Com tudo isso, o ICT está provando que os estabelecimentos estudantis precisam ajudar no desenvolvimento cultural de seus alunos, formando um cidadão mais capaz, criativo e consciente - observa o ator e diretor. Além de teatro, o ICT também está investindo em dança, esportes e outras atividades extra-classe.



Fotos: Divulgação


Infantil
: Rodrigo Hallvys divide-se
entre dois grupos nas aulas de teatro


Jovem
: Grupo de adolescentes;
identificação imediata com os textos




Jornal Diário do Vale - 16/12/2003 - Mário Sérgio


Mamão Com Açúcar

* Acontecendo hoje a partir das 15 horas, no Colégio ICT, o "1° Festival de Esquetes", tendo na linha de frente a direção do ator Rodrigo Hallvys. Entrada franca.
* Ele, inclusive, com seu site atualizado mostrando seus mais recentes trabalhos.
*Para os interessados o endereço na internet: www.rodrigohallvys.hpg.com.br