Jornal Comunidade - Janeiro/2007 - Cultura (pág. 05)

Educando com arte
O grupo de teatro Estudarte já está se preparando
para retornar ao batente com modificações em
sua agenda e metodologia

Ângela do Bem

O ano novo ainda está apenas começando e o grupo de teatro Estudarte já está se preparando para retornar ao batente. Depois da apresentação de quatro peças em dois dias do 'III Festival de Teatro do CVR', que aconteceu em dezembro, e teve como uma dos jurados Kika Monnteiro; o ator e diretor Rodrigo Hallvys, responsável pelo grupo desde 2004, remanejou parte de sua agenda e também das aulas do curso de interpretação livre que o grupo faz no Colégio Volta Redonda, no bairro Aterrado.
O curso, que tem matérias e provas também teóricas em seu decorrer, apresentará novidades trazidas por Hallvys em suas mudanças. "Os alunos do ano passado que conseguiram atingir a média 28 foram aprovados e estarão na segunda fase de estudos. Já os novatos pegarão a grande que existe desde 2006, porém com novidades na avaliação dos trabalhos." - explica.
Fundado em 2003, com objetivo de conscientizar o público, o grupo faz modificações anuais em sua agenda e metodologia, tentando ampliar horizontes dos integrantes e aparando os erros que vão surgindo. "É assim que precisa funcionar. Se algo não está bom o suficiente, precisamos diagnosticar e trabalhar para não voltar a acontecer. Eles estão aprendendo a fazer estas avaliações e dão sugestões de melhoras para eles mesmos" - destaca.


 

Foto: Divulgação/Donizete

O ator e diretor Rodrigo Hallvys

Legislação em artes cênicas, debates, laboratórios, psicologia, história e literatura, são algumas coisas que os alunos vão aprendendo e desenvolvendo no plano de aulas de uma forma diferente do que se vê normalmente. A expectativa fica em cima das apresentações. "Estas coisas vão fazendo com que eles saibam elaborar, auto-criticar e estabelecer raciocínio social para o comportamento de cada personagem. Tanto como atores quanto como pessoas, para eles se desenvolverem em seus limites." - explica.
O curso tem feito tanto sucesso que o SBT Jornal fez, em novembro passado, uma matéria falando sobre o tratamento para timidez desenvolvido no curso de teatro no Colégio Volta Redonda. Foram vários casos de comprometimentos (assim chamados) de alunos com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperativismo), timidez, e até comportamento.
-Alguns pais comentam sobre a evolução dos filhos. Podemos ver a diferença de vários deles há um ou dois anos, quando começaram o curso. Entravam amuados, intimidados, e quando deram-se conta, já estavam no palco dando um show. E ninguém diz que eles tinham timidez ou outro comprometimento - lembra Hallvys.
O número de vagas é limitado e os interessados devem procurar a secretaria do Colégio Volta Redonda, na rua Dionéia Faria, nº 209, no Aterrado. Lembramos também que para fazer o curso não precisa ser aluno do CVR. Qualquer pessoa da comunidade pode se inscrever.
Informações pelos telefones : (24) 3347-1060 e 9829-7121. Ou pelo site
www.rodrigohallvys.hpg.ig.com.br

Site Jornal A Voz da Cidade - 06/01/2007 - Cidades

Grupo Estudarte promove curso de Interpretação Livre

Tânia Cruz

VOLTA REDONDA - Ao completar cinco anos de atividades, o grupo de Teatro Estudarte, do Colégio Volta Redonda, inicia as atividades de 2007 de maneira diferente, com a realização do Curso de Interpretação Livre, do ator e diretor Rodrigo Hallvys. As aulas terão início dia 9 de fevereiro e os atores novatos pegarão a grade de ensinamentos que existe desde o ano passado. Todos passarão por provas teóricas, seminários e apresentações, da mesma forma que os veteranos. Com isso, segundo o diretor, a agenda do grupo fica ainda mais acirrada e aumenta a expectativa para o festival, realizado todo fim de ano pelo grupo.
De acordo com Hallvys, a idéia é se preparar de forma diferenciada para os novos compromissos. Mesmo assim, visa manter a linha de trabalhos psicossociais dos integrantes do Estudarte Jovem e do Intensivo, que passarão a estudar juntos no Módulo II do Curso de Interpretação Livre.
O diretor conta que os veteranos estarão montando suas produções baseadas em textos já apresentados pelo grupo e ele, com releituras mais elaboradas e a idéia de evoluírem seus trabalhos. O grupo já promoveu três edições do festival e o terceiro precisou ser dividido em dois dias, contando com corpo de jurados, que é o responsável por parte das notas do 4º bimestre do curso. “Acho isso legal. Superamos esses assuntos juntos e aprendi coisas interessantes sobre eles também. É claro que ficamos orgulhosos e honrados por sermos indicados a fazer esse trabalho”, comenta Rodrigo, elogiando o apoio que recebe do Colégio Volta Redonda para desenvolver o projeto.
Hallvys lembra que não é ele quem faz a diferença, mas sim a arte em si unida a um trabalho que visa fazer acontecer a evolução em algumas áreas além da artística. Na verdade, o sonho de Rodrigo Hallvys em relação à Cidade do Aço é ver um dia um curso profissionalizante em artes cênicas funcionando. “Gostaria de montar uma produção artística na cidade. Acho que uma produção seria uma base para começarmos a atingir novos horizontes. Isso geraria uma quantidade considerável de emprego direto e indireto na cidade e região. Nós temos mão-de-obra para recursos humanos aqui. Porém, o fato é que, se você quer ser artista aqui, tem que correr atrás por conta própria”, desabafa.
Para Rodrigo, o curso é sério e tem objetivos que não se prendem somente à arte propriamente dita, já que tem sido indicado por fonoaudiólogos e psicólogos visando ao acompanhamento e desenvolvimento em casos de transtorno de déficit de atenção e hiperativismo (TDAH), linguagem e a tão temida timidez.

Jornal A Voz da Cidade - 26/01/2007 - Caderno Variedades (pág. 02)

Cultura no Aterrado



O ator e diretor Rodrigo Hallvys



Fotos: Divulgação
Obs.:

A m
atéria 'Educando com Arte', publicada no jornal Comunidade em Janeiro/2007, foi republicada por Ângela do Bem neste jornal, na coluna 'A VOZ DO GRANDE ATERRADO', parte integrante do Caderno Variedades de A VOZ DA CIDADE.






Jornal Diário do Vale - 28/01/2007 - Caderno Lazer & Cia (capa)

A arte de interpretar
Abertas inscrições para o Curso de Interpretação
Livre, em VR; aulas começam no dia 9 de fevereiro

Cláudio Alcântara

Depois de poucos dias de férias, Rodrigo Hallvys, diretor do Grupo de Teatro Estudarte, se prepara para mais uma maratona: o Curso de Interpretação Livre, que ele ministra em um colégio em Volta Redonda. As aulas começam no dia 9 de fevereiro, com novas propostas e abrindo vagas para as turmas de novatos. As inscrições estão abertas.
Ainda comemorando o sucesso da sátira “Mudança de Hálito”, apresentada no “III Festival de Teatro”, Hallvys prepara novidades para o curso. Os alunos que conseguiram somar 28 pontos no primeiro módulo foram aprovados e passaram para o módulo seguinte. Assim, os integrantes do Estudarte Jovem e Intensivo passam a estudar juntos, no Estudarte Veterano.
- Quanto ao Mirim, os componentes terão o primeiro módulo de matérias em Legislação em Artes Cênicas. Os integrantes do Mirim cresceram e estão passando para o considerado grupo Jovem - explica.
Os novatos pegarão a grade que já existe desde 2006, e os veteranos entrarão a fundo nos estudos de produções, psicologia comportamental e laboratórios. “Agora é que eles pegarão no pesado. Cada detalhe que eles deixarem de lado pode ser fatal para a construção de suas personagens”, diz.
Para manter-se no ritmo, Hallvys também está estudando. Está fazendo o Curso de Interpretação Para Teatro de Rua, com Carlos Eduardo Giglio.
- Não dá para ficar estacionado. Em 2006, tive bastante o que aprender, e melhor: pessoas para me ensinar. Giglio, Lúcio Roriz, Bernardo Maurício... todos que desde que conheço estão me ensinando arte e evolução. Sei que ainda sou novo, mas a única coisa que pode me fazer crescer é aprender. Até porque conhecimento não ocupa espaço, mas sim nos coloca no sentido positivo - fala.

Hallvys fica feliz pela atenção que recebe dos profissionais e do Sated (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões), do qual faz parte há quase seis anos: “Isso reflete nos meus alunos. Os integrantes do Estudarte aprendem sobre legislação e todo o caminho correto para chegar ao registro profissional. E aprendi um pouco disso com quem teve boa vontade de me ensinar também”.

CARREIRA - Maturidade? Experiência? Sorte? Ele não sabe dizer ao certo o que acontece com sua carreira, mas diz ter aprendido uma coisa:
- Um dos erros do ser humano é ficar pensando em “quando a minha vida estiver arrumada”. Isso acaba nos frustrando, porque a nossa vida nunca estará arrumada. Sempre que a gente pensa que está, aparece algo novo para nos fazer modificar parte dos planos.
Para os atores do Estudarte ele sempre explicou que ninguém está perfeitamente pronto ao trabalho. “Se você for pretensioso, a ponto de achar que nasceu para aquela personagem, não vai se abrir para aprender sobre ela. Não vai absorver os laboratórios, a psicologia ou o comportamento que precisa. Ou seja, você vai entrar e sair do trabalho na estaca zero”, diz, referindo-se a Zé Bonito, personagem que interpretou em “Pimenta no Zóio dos Ôtro é Refresco!”, de Daniele Camargo, com o Grupo Interarte.
- Foi muito legal para mim. Ele é diferente de tudo que eu já havia feito. Era para ser caricato de forma ilimitada. Apanhei três semanas para entender o que eu tinha de fazer - diverte-se.
 

Fotos: Divulgação/Laís Aguiar

Hallvys: ‘Ninguém está perfeitamente pronto
ao trabalho, o ator aprende todos os dias’


Ensinando: Rodrigo Hallvys é o diretor
do Grupo de Teatro Estudarte.

O crescimento do teatro em VR

Apoio não falta para Rodrigo Hallvys, segundo ele mesmo. Ele observa que o teatro está crescendo em Volta Redonda com movimentos bastante independentes. “Infelizmente, alguns não sabem a diferença entre cultura e entretenimento. Não enxergam estrutura ou recursos da forma que a arte precisa. Mas adoram dizer: fulano é voltarredondense, nós temos orgulho e blá-blá-blá. Lembro disso comigo perfeitamente, na época que eu estava na televisão (ele participou de ‘A Grande Família’, na Globo)”, comenta.
O ator explica que o apoio que recebe é de parte do meio artístico da cidade e região, também do Rio de Janeiro e do colégio onde ministra o curso. “Já trabalhei em outros estabelecimentos de ensino, mas o atual é o único que me deu espaço para eu trabalhar da forma que eu precisava. Ele investe no Estudarte, nos dando liberdade de conscientizar as pessoas”, fala, acrescentando que a mensalidade do curso é “bem acessível” e que os interessados devem procurar o colégio para fazer as matrículas.
O número de vagas é limitado.

Serviço

Curso de Interpretação Livre - Com Rodrigo Hallvys. Valor: varia de R$ 30,00 a R$ 40,00. Quem morar no bairro Aterrado e estudar no CVR (Colégio Volta Redonda) tem 50% de desconto no curso. Mais informações: (24) 3347-1060 e (24) 9829-7121. Para conhecer melhor o Grupo Estudarte e a trajetória de Rodrigo Hallvys é só acessar os sites:
http://geocities.yahoo.com.br/grupoestudarte
www.rodrigohallvys.hpg.ig.com.br


Jornal Aqui - 03 a 09/02/2007 - Negócios & Lazer (pág. 05)

Oswaldo di Barros


*Quem quiser fazer o curso de "Interpretação Livre" com o ator e diretor Rodrigo Hallvys deve se matricular na sede do Colégio Volta Redonda, de quarta a sexta na parte da tarde. O curso começa no dia 9, sexta, e custa R$ 30,00.

Jornal A Voz da Cidade 05/02/2007 - Geral (pág. 05)

Inscrições para Curso de Interpretação Livre no Colégio
VR terminam sexta-feira

VOLTA REDONDA
- Iniciadas no último dia 31, as inscrições para o Curso de Interpretação Livre com o ator e diretor Rodrigo Hallvys encerram sexta-feira, data em que as aulas terão inicio. A realização do curso, que será no Colégio Volta Redonda, inicia as atividades do grupo de Teatro Estudarte em 2007. É também uma maneira diferente de comemorar os cinco anos de ação do grupo.
De acordo com Hallvys, a idéia é se preparar de forma diferenciada para os novos compromissos. Lembrou que mesmo assim, visa manter a linha de trabalhos piscossociais dos integrantes do Estudarte Jovem e do Intensivo, que passarão a estudar juntos no Módulo II do curso de Interpretação Livre.


O diretor contou que os veteranos estarão montando suas produções baseadas em textos já apresentados pelo grupo e ele, com releituras mais elaboradas e a idéia de evoluírem seus trabalhos. O grupo já promoveu três edições do festival e o terceiro precisou ser dividido em dois dias e contou com corpo de jurados, que é o responsável por parte das notas do 4º bimestre do curso. “Acho isso legal. Superamos esses assuntos juntos e aprendi coisas interessantes sobre eles também. E claro que ficamos orgulhosos e honrados por sermos indicados a fazer esse trabalho”, comentou Rodrigo, elogiando o apoio que recebe do Colégio Volta Redonda para desenvolver o projeto.
Hallvys lembra que não é ele quem faz a diferença, mas sim, a arte em si unida a um trabalho que visa fazer acontecer evolução em algumas áreas além da artística. Na verdade, o sonho de Rodrigo Hallvys em relação à Cidade do Aço é ver um dia um curso profissionalizante em artes cênicas funcionando. Para Rodrigo, o curso é sério e tem objetivos que não se prendem somente à arte propriamente dita, já que tem sido indicado por fonoaudiólogos e psicólogos visando ao acompanhamento e desenvolvimento em casos de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperativismo (TDAH), linguagem e a tão temida timidez. “Gostaria de montar uma produção artística na cidade. Acho que uma produção seria uma base para começarmos a atingir novos horizontes. Isso geraria uma quantidade considerável de emprego direto e indireto na cidade e região. Nós temos mão-de-obra para recursos humanos aqui. Porém o fato é que, se você quer ser artista aqui, tem correr atrás por conta própria”, desabafou.

Revista Cabelo & Art - Edição nº 03 - Março/2007 (pág. 39)

Qual fase da lua é boa
para cortar o cabelo?

Depende de qual a intenção em relação ao cabelo, se está fraco, se há queda, se queres que cresça rápido, etc. "Na minha experi~encia prática com clientes e com meu próprio cabelo, observo que o corte freqüente (cortar pontinhas por, no mínimo 4,6 meses seguidos) na fase lunar de nosso nascimento é excelente, fortalecendo e deixando o cabelo mais forte, bonito e com brilho", diz a cabeleireira Anna Rita Soares Vieira, de Resende. Para descobrir qual a fase em que a lua estava quando nascemos, há duas maneiras: ou consultar um astrólogo, que a obterá através de nosso mapa astral, ou consultando calendários da data de nascimento que mostrem as fases da lua naquele ano.

Na fase Nova, o início do ciclo, há renovação e revitalização, e também aceleração do cresciemento do cabelo.

A Crescente, como o nome diz, estimula o cresciemtno,q ue se torna ainda mais acelerado e, nesse caso, ajuda a eliminar tinturas e outros processos mais rapidamente.

Na Lua Cheia, o corte faz com que o cabelo cresça mais cheio e mais volumoso.

Por fim, na Minguante, o crescimento é mais lento, e o corte ajuda a mater a forma, fortalecer e enraizar. O corte na Minguante é ótimo para quando há queda de cabelos e o cabelo está fraco.


O ator Rodrigo Hallvys usa franja diagonal repicada que segue em todo contorno do cabelo. Na nuca o repicado é levantado ao pentear, dando um ar jovem, descontraído e natural para as pontas. Um dos motivos de Rodrigo ter adotado o corte é a aparência de "enchimento", após uma brusca queda de cabelos pela qual passou por conta do estresse causado pelo trabalho.


Fotos: Callino / Donizete

Para não perder muito do efeito do corte ele apara as pontas a cada dois meses com o cabeleireiro e maquiador Eduardo Andrade, atualmente responsável pelo cabelo do ator.

Jornal Volta Cultural - Abril/2007 (pág. 09)

"Película, o olhar da inclusão"
Clube promove sua 1ª Exposição em 17 anos de "jejum"

Foto: Kika Monnteiro


O ator e diretor Rodrigo Hallvys,
Rosalice Fernandes (Presidente da ONG PROSOL)
e o diretor Bernardo Maurício.

Jornal Comunidade - Novembro/2007 - Variedades (pág. 06)

Vem aí
IV Festival de Teatro do CVR


Depois de passar pelo ano mais difícil de sua história, o Grupo Estudarte se prepara para o 'IV Festival de Teatro do CVR', evento que acontece todo fim de ano desde 2004. Desta vez o evento ocorrerá em três dias: 1, 8 e 15 de dezembro, a partir das 19h, no auditório do Colégio Volta Redonda, com entrada franca.
Serão 12 espetáculos, quatro por dia e tendo como abertura de cada data, um espetáculo convidado, apresentado por outros grupos da cidade.
Segundo Rodrigo Hallvys, diretor geral do Estudarte, as mudanças estarão muito claras, porém a forma de conduzir o evento mantém-se a mesma. "A proposta das estórias são bem diferentes, continuam sendo reflexivas, mas com ângulos diferentes. São leituras, conduções, e interpretações mais ecléticas desta vez. Falaremos de assuntos que ainda não havíamos abordado, e temos a honra de recebermos a participação dos grupos Cena, Proscênium e Expressar-T em nosso festival" - diz Hallvys.
Vale a pena Conferir!


Jornal Diário do Vale - 28/11/2007 - Caderno Lazer & Cia (capa)

A arte de conscientizar em cena
Grupo Estudarte apresenta quarta edição do ‘Festival de Teatro do CVR’;
serão 12 espetáculos divididos em três dias de evento
Cláudio Alcântara

O Grupo Estudarte está de volta. Sem medo de inovar, agora o “Festival de Teatro do CVR” apresenta ao público 12 espetáculos, divididos em três dias de evento e um esquete convidado em cada abertura. As participações especiais são de Albinno Oliveira, Giovana Damaceno, Othiniel Junior e Tiago Rezeck. Começa sábado e prossegue nos dias 8 e 15 de dezembro, sempre a partir de 19 horas, no auditório do Colégio Volta Redonda. A entrada é grátis. Mostra ao público a arte de conscientizar.
O diretor geral do festival, Rodrigo Hallvys, aposta que este ano o evento está ainda melhor. “Os grupos convidados têm diretores que conheço e que todo mundo sabe o quão são bons no que fazem. São profissionais que acompanham meu trabalho, tecendo elogios e críticas para que a gente possa melhorar cada vez mais. A presença de trabalhos deles fará com que nosso festival tenha ainda mais brilho”, diz.
O evento acontece todo fim de ano, desde 2004, e foi criado de uma forma simples e despretensiosa para cumprir o objetivo de conscientização. O Estudarte foi formado em 2003. De lá pra cá, várias mudanças ocorrem anualmente e desta vez o festival traz mais espetáculos do que o costume, com vários esquetes novos e peças que já fizeram sucesso na trajetória do grupo, além da participação de alguns artistas convidados.
- A intenção que temos de melhorar nos fez perceber muita coisa que nos levaria às mudanças. Eu mesmo mudei muita concepção do trabalho. Hoje nós temos ainda mais preocupação com a técnica do que no início, quando nosso objetivo fixava mais nos temas propostos ao público - explica Hallvys, acrescentando que novamente o festival terá um corpo de jurados, que é responsável por parte da nota do quarto bimestre do curso de interpretação (parceria de Hallvys com o CVR). “Alunos do primeiro e segundo módulos e da turma pré-modular se unem para mostrar o quanto evoluíram nos quesitos verificados pelo júri”, fala.
Segundo o diretor geral do festival, foi o ano mais difícil da história do grupo. O que não impediu a trupe de montar seus trabalhos.

Tudo começará com o espetáculo convidado “Achados”, texto e direção de Lúcio Roriz. No elenco, Othiniel Junior, do Grupo Cena. Logo depois, “No Restaurante”, texto de Carlos Drummond de Andrade adaptado por Rodrigo Hallvys, será encenado por Camille Pinheiro, Lidiane Silveira, Ramona Rodrigues e Rocxane Castro, do Grupo Estudarte Veterano.

Hora de Dormir”, de Fernando Sabino e novamente uma adaptação de Hallvys, será a próxima atração. Camille Pinheiro e Patrícia Rodrigues, do Grupo Estudarte Veterano, são as atrações. Encerrando o primeiro dia do festival, tem “Urucubacas e Balacobacos”, texto de Érick Ferreira e Rodrigo Hallvys. Sobem ao palco Daniella Linhares, Érick Ferreira, Filipe Xagas, Jair de Assys, Jamayra Dantas, Leonardo Cesar e Paloma Ramos, dos grupos Estudarte Jovem e Intensivo.

No dia 8, o festival começa com “” (espetáculo convidado), escrito e dirigido por Tiago Rezeck. Em cena, Giovana Damaceno e Tiago Rezeck, do Grupo Expressar-T. Logo após, “Apenas Comentando”, de Rodrigo Hallvys, reúne Isadora Meira, Lorrayne Machado e Marcos Antonio, dos grupos Estudarte Jovem e Veterano. “Negócio de Menino”, de Rubem Braga, também foi escolhido por Hallvys para ser adaptado. Érick Ferreira e Thiago Brum, do Grupo Estudarte Jovem, dão vida às personagens. Fechando a noite, “As Mariazinhas”, de Hallvys e Laísy Monnteiro, com Camille Pinheiro, Lidiane Silveira, Patrícia Rodrigues, Ramona Rodrigues, Rocxane Castro e Rosana Alves, dos grupos Estudarte Intensivo, Jovem e Veterano.

FINAL - No último dia do “Festival de Teatro do CVR”, será encenado o espetáculo convidado “Teatro Para Cegos”, de Marcius Barbieri, sob a direção de Carlos Eduardo Giglio. No palco, apenas Albinno Oliveira, do Grupo Proscênium. “Minha Boneca” entra na seqüência. Texto de Rodrigo Hallvys encenado por Daniella Linhares e Heloisa Nagib, dos grupos Estudarte Intensivo e Jovem. A seguir, “Árvore Genealógica”, de Luiz Fernando Veríssimo adaptado por Hallvys. No elenco, Filipe Xagas e Lidiane Silveira, do Grupo Estudarte Intensivo.
Em Boca Fechada...” encerra o festival. Texto de Lidiane Silveira e Rodrigo Hallvys que ganha vida pelas interpretações de Angélica Araujo, Isadora Meira, Jair de Assys, Lorrayne Machado e Thiago Brum, dos grupos Estudarte Jovem, Intensivo e Veterano.
Nos três dias de evento, a arte de conscientizar em primeiro plano.



Quem é quem no festival

• Direção geral:
- Rodrigo Hallvys

• Assistente de direção:
- Diego Machado

• Direção de produção:
- Laís Aguiar

• Produção:
- Bel Machado
- Heloisa Nagib
- Jair de Assys
- Jamayra Dantas
- Marcos Antonio
- Mariane Madruga
- Waleska Mendhes


• Cabelo e maquiagem:
- Laís Aguiar
- Rodrigo Hallvys

• Sonoplastia:
- Diego Machado
- Vitor Martins

• Jurados:
- Cláudio Alcântara
- Giglio
- Kris Ferreira
- Lúcio Roriz
- Tânia Cruz
- Tiago Rezeck


Jornal A Voz da Cidade - 01/12/2007 - Caderno Variedades (pág. 03)

Começa hoje o IV Festival de
Teatro no Colégio Volta REdonda

A VOZ DO GRANDE ATERRADO
Kika Monnteiro

Depois de passar pelo ano mais difícil e sua história, o grupo Estudarte se prepara para o IV Festival de Teatro do CVR, evento que acontece todo fim de ano, desde 2004. Desta vez o evento ocorrerá em três dias: 1, 8 e 15 de dezembro, a partir das 19 horas, no auditório do Colégio Volta Redonda (CVR), com entrada franca.
Serão 12 espetáculos, quatro por dia, tendo como abertura de cada data um espetáculo convidado, apresentado por outros grupos da cidade. Segundo Rodrigo Hallvys, diretor geral do Estudarte, as mudanças estarão muito claras, porém a forma de conduzir o evento mantém-se a mesma.
"A proposta das histórias são bem diferentes, continuam sendo reflexivas, mas com ângulos diferentes. São leituras, conduções, e interpretaçãoes mais ecléticas desta vez. Falaremos de assuntos que ainda não havíamos abordado, e temos a honra de receber a participação dos grupos Cena, Proscênium e Expressar-T em nosso festival", diz Hallvys.


O grupo apresentará adaptações de textos de Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Rubem Braga, Luiz Fernando Veríssimo, e escritos por Rodrigo em parceria com alguns atores.
Novamente o evento terá um corpo de jurados composto por seis profissionais da área de arte e comunicação, e tem a função de avaliar o desempenho dos atores por quesitos, assim como acontece no carnaval.
O Estudarte sempre buscou leituras cômicas para o público, porém desta vez também trabalhará drama e alguns sentidos paralelos ao suspense, buscando aprofundamento e lapidação dos alunos do curso de interpretação livre que Hallvys tem em parceria com o CVR. O curso tem matérias teóricas com provas e trabalhos bimestrais e o festival é a avaliação do quarto bimestre dos módulos do curso.
"Continuamos a fazer coisas simples, mas estamos mudando nossa forma de utilização do teatro em alguns aspectos. Em alguns âmbitos está com uma pedagogia mais indireta, e o fator psicossocial está mais ativo a cada trabalho nosso. Esperamos que o público aprove", diz o diretor.

Jornal A Voz da Cidade - 04/12/2007 - Caderno Variedades (pág. 03)

Festival de Teatro CVR começou sábado



Aparecida Francisco

Depois de passar pelo ano mais difícil e sua história, o grupo Estudarte se prepara para o IV Festival de Teatro do CVR, evento que acontece todo fim de ano, desde 2004. Desta vez o evento ocorrerá em três dias: 1, 8 e 15 de dezembro, a partir das 19 horas, no auditório do Colégio Volta Redonda (CVR), com entrada franca.
Serão 12 espetáculos, quatro por dia, tendo como abertura de cada data um espetáculo convidado, apresentado por outros grupos da cidade. Segundo Rodrigo Hallvys, diretor geral do Estudarte, as mudanças estarão muito claras, porém a forma de conduzir o evento mantém-se a mesma.
"A proposta das histórias são bem diferentes, continuam sendo reflexivas, mas com ângulos diferentes. São leituras, conduções, e interpretaçãoes mais ecléticas desta vez. Falaremos de assuntos que ainda não havíamos abordado, e temos a honra de receber a participação dos grupos Cena, Proscênium e Expressar-T em nosso festival", diz Hallvys


De acordo com ele, serão quatro histórias por dia, tendo um esquete convidado em cada abertura. “Os grupos convidados têm diretores que conheço e que todo mundo sabe o quão bons são no que fazem. São profissionais que acompanham meu trabalho”, diz, acrescentando que a presença dos trabalhos fará com que o festival tenha ainda mais brilho. Ainda segundo Hallvys, as participações especiais que estarão em cena são: Albinno Oliveira, Giovana Damaceno, Othiniel Júnior e Tiago Rezeck. Os espetáculos trazem adaptações de textos de Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Rubem Braga, Luiz Fernando Veríssimo, além de textos da autoria do próprio Hallvys, alguns em parceria com os atores.

Durante os três dias de apresentações um corpo de jurados será responsável por parte da nota do quarto bimestre do curso de interpretação de Hallvys, em parceria com o CVR. Alunos do primeiro e segundo módulo e da turma pré-modular se unem para mostrar quanto evoluíram nos quesitos verificados pelo júri. Entre os jurados estão os jornalistas Tânia Cruz e Cláudio Alcântara; Giglio, Kris Ferreira, Lúcio Roriz e Tiago Rezeck.

Os espetáculos Achados, do Grupo Cena, No Restaurante, Hora de Dormir e Urucubacas e Balacobacos já foram encenados. Na programação do próximo sábado, o público poderá conferir o espetáculo convidado Só, depois serão apresentadas as peças Apenas Comentando, Negócio de Menino e As Mariazinhas. No último sábado do festival, no dia 15, Teatro Para Cegos do Grupo Proscênium, Minha Boneca, Árvore Genealógica, Em Boca Fechada... completam o festival.